19 de nov de 2012

Perdidos no Espaço da TV: Prison Break

Posted by Bueno Neto On 17:30 1 comentários


Prison Break foi uma série que deixou saudade para os fãs. Misturando uma boa dose de ação com intriga, trazia personagens carismáticos e sobretudo um protagonista inteligente que não deixava nada a desejar para Macgyver: Michael Scofield. E sua engenhosidade transformava objetos comuns em armas ou ferramentas, mas ia muito além, era usada principalmente para planejar e tratar os problemas como pura matemática a ser resolvida.


Mas a série não se sustentou apenas em um protagonista carismático, sua trama também era muito boa e já se diferenciava de outras séries simplesmente por não ser o "caso da semana" como nas policiais, ou o "paciente da semana" das séries médicas. Seguia um roteiro muito bem estruturado que ia ligando os episódios e sabia nos surpreender quando acreditávamos que a trama seguia para um caminho previsível. Claro que tinha seus clichês, principalmente na primeira temporada que se passa na prisão: encontramos personagens estereotipados, mas também antagonistas e coadjuvantes que davam força ao enrredo e abrilhantavam a série.

Na trama seguimos Michael Scofield em seu plano para salvar seu irmão Lincoln Burrows, que está no corredor da morte e será executado em alguns meses. Lincoln foi condenado por um crime que ele jura que não cometeu. Ele acredita em uma conspiração que não foi confirmada nem provada, e por isso foi condenado à espera de sua morte na Penitenciária Estadual Fox River. Mas Michael acredita no irmão e o plano que cria para salvá-lo é muito elaborado.

Como um engenheiro estrutural, consegue acesso as plantas da prisão e as tatua no corpo encobertas por desenhos, assalta um banco só para ser preso e faz um acordo de confessar o crime em troca de cumprir pena na prisão que está o irmão. O plano é mais elaborado do que se imagina, envolvendo alianças com criminosos que ele sabia previamente que estavam cumprindo pena. Imprevistos acontecem, alguns planos dão certo e outros errado e Michael acaba sendo obrigado a incluir em seus planos mais criminosos do que queria ou deveria.

Assim prosseguiu toda a primeira temporada, sabendo medir entre ação, intriga e mistério, e neste ponto também temos uma bem vinda virada de tema. A segunda temporada trata da fuga dos irmãos e dos presos que foram com eles, também gira em torno de Lincoln tentando salvar seu filho e desvendar a conspiração em que se meteu.


A segunda temporada culmina na fuga dos irmãos para o Panamá, com os conspiradores que armaram novamente para os irmãos afetando-os. Dessa vez Michael Scofield é enviado para uma prisão, e uma muito pior, Sorna, onde não há gurdas dentro, apenas do lado de fora, que matam quem tenta fugir. Dentro a lei é feita pelos próprios presos. 

Na quarta temporada, depois da fuga de Sorna, um policial da Agência de Segurança Nacional promete dar liberdade a Michael e seus companheiros, alguns que os acompanham desde Fox River na primeira temporada, se conseguissem pegar Scylla, que é um conjunto de dados da Companhia que vem fazendo toda a conspiração onde os irmãos estão envolvidos desde o começo, ou seja, hora de dar o troco. Michael elabora então um plano para roubar, ou melhor, copiar os seis cartões e poder então invadir a Companhia e roubar a Scylla. Novamente temos a engenhosidade e criatividade de Michael e um final surpreendente para série.




1 comentários:

Um dos melhores seriados que eu já vi, e quem não pegou afinidade com o "T-Bang" ^^

Postar um comentário