13 de nov de 2012

Das Prateleiras: Rio

Posted by Natália Lins On 21:24 0 comentários









Nomes brasileiros estão despontando o tempo todo ao redor do mundo, em todas as artes, e a sétima arte faz parte dessa ascensão. Depois de atrair os holofotes pelo belo trabalho realizado na aventura glacial A Era do Gelo e suas continuações, o diretor brasileiro Carlos Saldanha resolveu homenagear sua cidade natal com a animação Rio. Sua tarefa era criar algo sem cair nos estereótipos estrangeiros equivocados ou transformá-lo em apenas mais uma homenagem. 

As belas paisagens e belezas naturais da cidade foram muito bem valorizadas, algo que a técnica 3D colaborou, uma animação visualmente incrível. Além das belezas da cidade, o carnaval também ganhou destaque, desfocando um pouco o olhar dos problemas sociais. 

A música é um elemento fundamental no longa. O produtor musical Sérgio Mendes junto com Will.i.am (Black Eyed Peas) realizou um trabalho incrível, mesclando referências nacionais como ritmos carnavalescos com a batida do pop. 


O filme narra a história de Blu (Jesse Eisenberg), uma arara azul macho que ainda filhote foi capturado no Rio de Janeiro por contrabandistas, indo parar em Minnesota, norte dos EUA. Mas o pequeno Blu teve muita sorte, foi parar nas carinhosas mãos de Linda (Leslie Mann). Uma vida que qualquer arara poderia pedir a Deus, com direito a muita mordomia e cuidados. Com tamanha proteção não sobrou tempo para Blu aprender a voar. 


Eis que surge Túlio (Rodrigo Santoro), um estudioso amante das aves que atravessou o oceano em busca da extinta arara azul para que pudesse acasalar com a fêmea Jade (Anne Hathaway). Claro que se tratando de um país, digamos, com certo nível de corrupção, seria difícil esses frágeis animais terem sossego. Blu se embrenha numa grande aventura e se vê obrigado a esquecer o doce lar que mantinha com Linda para enfrentar a temida vida na natureza a céu aberto. 


Rio aborda temas polêmicos, colocando em questão o contrabando de animais raros e a extinção dessas criaturas, mas tudo sutilmente, de forma a agradar crianças e adultos mesmo se tratando de uma animação. Com precisão de detalhes, todos os pontos turísticos da cidade maravilhosa são recriados e destacados, o que já era esperado se tratando de um diretor brasileiro. 

O filme de Carlos Saldanha não foi indicado ao Oscar de melhor animação, mas o Brasil foi representado na grande festa de Hollywood por Sergio Mendes e Carlinhos Brown, compositores da trilha sonora do filme, Real in Rio, que recebeu a indicação de Melhor Canção Original.


0 comentários:

Postar um comentário