27 de ago de 2012

Perdidos no Espaço da TV: True Blood - Final da 5ª Temporada

Posted by Thaís Colacino On 11:44 1 comentários


A quinta temporada de True Blood começou exatamente onde a quarta parou (spoilers da quarta em frente!): Sookie pede ajuda de Lafayette para limpar a bagunça que Debbie e Tara fizeram, Eric e Bill tinham acabado de matar a porta voz da Autoridade Vampírica e Sam e Alcide tinham matado o líder da matilha. Enquanto isso, alguém desenterrou Russel Edgington, o vilão da terceira temporada (e o mais legal até aqui). 

Com um começo bem interessante, a quinta temporada foi recheada de fanatismo religioso, muitas tramas paralelas chatas e perda de ritmo que só engrenou novamente no último episódio.

(Spoilers da quinta temporada)

Roman
Depois de quatro temporadas ouvindo falar da famosa "Autoridade", Eric e Bill são levados até a sede dela e entendemos o que de fato eles são e como comandam: eles são fanáticos religiosos que acreditam na convivência pacífica com os humanos porque alguém interpretou a biblía de Lilith assim. Mas como nem todos interpretam assim, há intrigas sutis e veladas que culminam com forças opostas ("vampiros devem dominar e beber de toda a humanidade") agindo e tomando o controle.


Lilith
No começo Bill e Eric são levados à Autoridade para morrerem, mas conseguem negociar devido a Russel continuar vivo. Quando descobrem que ele está solto, chamam Sookie, que nesse meio tempo estava enterrando mais pessoas e implorando a ajuda de Pam. Resolvido o problema do sumiço do vampiro antigo, este se recupera com ajuda interna para matar o chanceler dos chanceleres, Roman. E a nova lei é matar os humanos a bel-prazer.



Chancelers e o sangue de Lilith


Enquanto tais assuntos de dominação mundial estão ocorrendo em algum lugar, em Bon Temps há diversas tramas paralelas: Terry é perseguido por um demônio com o qual uma afegã morta por ele o ameaçou; Hoyt vira um fangbanger depois de levar um pé de Jessica; Jess está aproveitando sua vida vampírica sugando quem ela achar interessante e tendo festinhas privadas enquanto transa com Jason sem compromisso; Jason descobre que sexo sempre o leva a roubadas, descobre que ama Jess, que não quer nada com ele, e ainda tem que lidar com o reverendo Steve Lewin (da segunda temporada) que agora é vampiro e gay; Sam e Luna são alvos de grupos de ódio que estão matando seres mágicos na cidade, assim como tem que lidar com a matilha dos lobos; Lafayette precisa ajudar um falecido Jesus com os poderes que tem; Alcide tem que lidar com a matilha, com Sookie e com a morte de Debbie; e Andy, o xerife, tem que cuidar das estranhezas da cidade enquanto tenta um relacionamento com a wicanna Holly, se entender com os filhos dela e pagar a promessa que fez a uma fada. Eventualmente essas tramas se cruzam, mas isso não as deixam mais interessantes. Ah sim, Pam agora tem que lidar com Tara, agora sua "filha" vampira, enquanto lembra de como conheceu Eric e, de longe, é a melhor trama paralela que há.




Salomé, vampira antiga



A temporada começa bem, até o momento em que os vampiros bebem o sangue da Lilith e ficam chapados. Depois disso há resoluções das outras tramas, enquanto a Autoridade enrola, discutindo o que fazer, amando Lilith, deixando todos loucos e Eric querendo sair dali, levando a irmã, Nora, que é uma das mais fanáticas. É interessante observar que no começo, Roman dava uma gota de sangue para cada Chanceler, mas o efeito do sangue só ocorre depois...








Ensandecido, Bill só quer poder e se livrar da culpa
Com episódios arrastados, outras tramas surgem. Sim, mais tramas. Sookie e Jason descobrem que os pais foram mortos por um vampiro e começam a seguir pistas que os levam à boate das fadas, que parecem não servir para nada na série a não ser brilhar e arranjar confusão. Mesmo a mais velha delas, que aparece somente no penúltimo episódio e deveria ser a mais sábia, é caracterizada como um ser estranho e de pouca inteligência. A trama não é resolvida, servindo para deixar Jason com ódio de vampiros e se preparando para a guerra que irá acontecer. Outro fato engraçado é ele delirar com a visão dos pais mortos incentivando a matança de vampiros e Sookie, a telepata, se preocupar com ele e não ouvir tais pensamentos.


Tara agora tem mais atitude, apesar de continuar com aquele comportamento que alguns amam e muitos detestam. O vampirismo fez bem para ela e a relação com Pam é ótima, culminando em belo momento no último episódio. E quando Eric fala de Pam, seja pedindo ajuda ou seja encontrando-a, mostra todo o amor fraterno que sente pela cria e ela por seu criador. 



Com o passar dos episódios, Bill vai enlouquecendo e deixando-se levar pela religião encontrada, simplesmente para livrar-se da culpa que sentia e tornar-se poderoso "por direito". Além do motivo egoísta e ambicioso, vemos como ele manipula aqueles ao seu redor e utiliza astúcia para conseguir seus objetivos. Ele que dá a ideia de bombardear todas as fábricas de True Blood, forçando todos os vampiros a se alimentarem de humanos, causando tensão mundial. Além de ordenar o nascimento de novos vampiros para aumentar a "população" em uma possível guerra.

No último episódio, com praticamente todos da Autoridade mortos, restando somente Bill, a série surpreende (por cinco segundos) quando este explode, fazendo acreditarmos (em vão) que ele morreu. Mas então a poça de sangue é focada e ele volta grunhindo como a aparição de Lilith fazia.

Bill + Lilith = Billith?
Com poucas reviravoltas e muita história, a quinta temporada foi morna e por vezes chata, mas o último episódio coloca-a de volta a um bom caminho. Porém, não parece que haverá muito mais história daqui para frente: quase todos os habitantes de Bon Temps já tiveram suas experiências ou se tornaram seres sobrenaturais, resolveram tais problemas e seguiram em frente, e o problema dos vampiros, agora mundial, deve ser focado somente na cidade, com uma caçada a Bill (ou fuga dele), o que resultaria no fim completo da Autoridade. A partir daí, os vampiros seriam livres para fazer o que quisessem ou outra Autoridade surgiria. Não podemos esquecer que o emissário dos humanos morreu. Guerra está a caminho. Apesar de parecer extensa, tal trama é facilmente resolvida nos 12 episódios da próxima temporada. A não ser que os produtores inventem mais seres mitológicos que gostam de andar em uma cidade minúscula.

1 comentários:

Medo do que pode acontecer na nova temporada....

Postar um comentário