16 de jun de 2012

Vs the World: Vampiro Americano

Posted by Renan Martins On 00:23 0 comentários


Cansado dos vampiros fofinhos, românticos e politicamente corretos que assombram as livrarias e os telões do cinema?

Anime-se! Scott Snyder preparou uma resposta à altura dessa onda pop vampiresca mamão com açúcar.

Vampiro Americano é o resgate da brutalidade, das dimensões sombrias e sanguinárias do universo vampírico. 

Para engrossar o caldo sanguinolento, ninguém menos que o mestre do horror colaborando com o ataque. Stephen King, autor de O Iluminado e Torre Negra, investe como co-roteirista.

E a mordida certeira foi dada na escolha do desenhista: o brasileiro Rafael Albuquerque, portador de linhas ágeis, fortes e agressivas.










A história é dividida em duas etapas. A primeira, ambientada em fins do século XIX, conta a gênese de Skinner Sweet - larápio do oeste americano que se mete a roubar o banco de um poderoso e vampiresco europeu.

Sweet é pego, e no entrevero com o banqueiro de dentes afiados é contaminado acidentalmente pelo sangue do magnata. Consequentemente, se torna a primeira espécie de uma nova linhagem de sanguessugas.

Até então o velho oeste era dominado por fidalgos europeus, detentores do poder financeiro e bárbaros assassinos de vítimas incautas da noite estadunidense. A dicotomia entre civilização e barbárie, o confronto entre as identidades culturais europeia (supostamente superior) e americana (tida como rústica e atrasada) são alguns dos pontos fortes da obra.








O sangue europeu em contato com os glóbulos de Skinner Sweet acabam por produzir uma espécie de vampiro mais agressiva e beneficiária da luz do Sol. Quarenta anos depois de emergir da lápide, já na década de 1920, o vampiro americano chega à Los Angeles, diante da explosão do cinema hollywoodiano.


Já estamos na segunda parte do enredo e veremos perplexos a atriz Pearl Jones tornar-se presa frágil dos caninos sedentos de um grupo de vampiros europeus, cujo controle ainda é bem vivo nas cidades dos Estados Unidos, contando com a subserviência de instituições públicas como a polícia.

Anti-heroi, Sweet surge das sombras, salva a pele de Jones e lhe dá uma segunda vida, com alguns "recursos" a mais, para que ela consiga perpetrar justa vingança contra seus algozes.






O desenho de Rafael Albuquerque traduz a violência pretendida pelo roteiro e pelos diálogos, com traços fortes, um pouco estilizados, um tanto realistas, valendo-se ainda de cores intensas e límpidas que catalisam a dramaticidade das situações.

Os recortes e os cenários lembram planos e 
paisagens dos filmes western de Sérgio Leone, dando significados especiais à existência das personagens e condicionando suas ações. O embate entre o oeste ancestral e a modernidade está presente e acompanhar o desenrolar da trama, no ritmo veloz em que é contada, é impactante.














Aos amantes da nona arte basta mencionar que Albuquerque e Snyder alcançaram a láurea máxima dos quadrinhos pelo trabalho. Segundo o anedotário das Hqs, na entrega do prêmio Eisner, o brasileiro proclamou um estrondoso "foda!", e um jornalista americano, da plateia, anotou "fada", ao registrar a interjeição do artista.

A edição nacional cobre os cinco primeiros volumes da história. A partir do sexto tomo (sem previsão por aqui), Scott Snyder assume como único roteirista, prescindindo do auxílio de Stephen King.

Esteticamente sofisticado, com diálogos  precisos e cores pungentes, Vampiro Americano é um dos melhores lançamentos deste primeiro semestre. Cinematográfico, guarda paralelos com filmes como Era uma Vez no Oeste, Blade e até Bastardos Inglórios, no que carrega de revanchismo americano contra a megalomania europeia.










Serviço


Vampiro Americano
Editora Panini
Ano de lançamento: 2012
Número de páginas: 200
Preço: R$ 56


0 comentários:

Postar um comentário