17 de mai de 2012

Era uma vez: Histórias Extraordinárias

Posted by Aline Guevara On 16:06 0 comentários


Para homenagear o norte-americano Edgar Allan Poe, que chega aos cinemas nessa semana com o filme O Corvo (não, não é o Corvo do ator Brandon Lee), a Quentin vai apresentar algumas das histórias desse que é considerado por estudiosos um dos maiores escritores dos EUA e um dos precursores da literatura de ficção científica e fantasia de terror. O livro Histórias Extraordinárias reúne alguns dos famosos contos de Poe.

A coletânea contêm um de seus títulos mais memoráveis: O gato preto. Narrado em primeira pessoa, somos apresentados a um personagem que já nos alerta sobre o teor extraordinário da história que vai nos contar, esclarecendo que por mais difícil que seja acreditar nos eventos ocorridos com ele, são apenas “uma série de simples acontecimentos domésticos”.

E é declarando a necessidade de aliviar sua alma, já que é provavelmente morrerá no dia seguinte, o narrador sem nome nos conta os eventos assombrosos de sua vida que envolveram o gato preto que tinha de estimação. Mostrando desde o princípio um claro desvio de caráter, o protagonista nos apresenta explicações que podem divergir dependendo de nossa própria interpretação de suas palavras, mas a cada nova solução encontrada, mais sombria a trama se torna.

Se O gato preto nos assusta a cada nova leitura e interpretação da narrativa, outros contos o fazem de primeira, como o terrível Berenice. A racionalidade destituída de emoção do narrador, que só é encontrada em sua forma extrema por meio de uma obsessão, revela uma das principais características dos personagens de Poe: a lucidez e a loucura estão sempre muito próximas.

Conhecido também como um dos predecessores do romance policial, Poe criou um detetive com incríveis habilidade de dedução bem antes do mundo se render ao Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle. Em Os crimes da Rua Morgue e A carta roubada podemos acompanhar o jovem francês Auguste Dupin realizando análises impressionantes a fim de “desemaranhar”, usando o termo do próprio narrador, crimes aparentemente insolúveis.

Apesar de gênio das histórias de horror, Poe não perde o senso de humor, como percebe-se em Nunca aposte sua cabeça com o diabo. Ele começa o conto reclamando com o leitor que muitos críticos literários o atacam por não escrever textos com lição moral. Então decide rechaçar as críticas contando-nos então a história de um amigo que vivia a apostar sua cabeça com o diabo.

Com muita ironia e humor negro, típicos do escritor, o conto ainda é recheado de absurdos e explicações que não fazem sentido algum. Tudo para nos dar a importantíssima lição de moral: nunca devemos apostar nossa cabeça com o diabo.

Essas são só algumas das peças maravilhosamente e assustadoramente saídas da mente de Edgar Allan Poe. Ele demonstra que para nos aterrorizar, monstros não são necessários. Os maiores de todos os horrores são encontrados dentro da mente humana.

Contos de Histórias Extraordinárias:


  • A Queda da Casa de Usher
  • O barril de Amontillado
  • O gato preto
  • Berenice
  • Manuscrito encontrado numa garrafa
  • William Wilson
  • Os crimes da Rua Morgue
  • O mistério de Marie Rogêt
  • A carta roubada
  • Metzengerstein
  • Nunca aposte sua cabeça com o diabo
  • O poço e o pêndulo
  • A aventura sem paralelo de um tal de Hans Pfaall
  • O escaravelho de ouro
  • Uma descida no Maelstrom
  • O jogador de xadrez de Maelzel


0 comentários:

Postar um comentário