10 de mar de 2013

Crítica: Oz - Mágico e Poderoso

Posted by Thaís Colacino On 23:06 0 comentários

Sejam novamente bem-vindos à Terra de Oz!

Nunca visitou tal terra? Quem diabos é você? Respeite os clássicos. Não é fã de Elton John? WTF??
Tudo bem. Oz - Mágico e Poderoso, conta a história antes de Dorothy ir para lá em O Mágico de Oz, mais especificamente, conta como o próprio Oz foi parar ali.

Oz é na verdade Oscar Diggs (James Franco), um mágico circense egoísta, que passa por vários problemas antes de entrar em um balão e ser ver em meio à um tornado que o leva para a mágica e bela Terra de Oz. E ele é justamente o que os habitantes daquela terra precisam: um mago que possa derrotar a bruxa má e trazer a paz ao reino. O que ele ganha com isso? Ouro e se torna rei. Muito tentador. Só não mais que as belas bruxas, Theodora (Mila Kunis), Evanora (Rachel Weisz) e Glinda (Michelle Williams) - e ele não sabe qual delas é a má.


Oz - Mágico e Poderoso faz diversas referências e homenagens ao filme original, sem nunca de fato citá-lo (até porque, legalmente, não poderia, já que os direitos do primeiro filme ainda são da Warner). Começando em preto e branco e com tela limitada, os primeiros minutos do filme, se passando na enfadonha Terra, parecem uma prisão, não só para Oz, mas para toda a plateia. A impotência diante de problemas aquém de nossas capacidades de resolvê-los e a vontade de sermos grandiosos é representada por Oz em uma imediata identificação.


Ao passar para a Terra de Oz, a tela se enche das cores mais vibrantes, como que para compensar a parte P&B e mostrar todo o esplendor do local. Chega a ser um alívio, não só para Oz, mas para o espectador. Outros pequenos detalhes que evocam o filme anterior são os espantalhos, os tinkers que podem construir coisas (e provavelmente, o homem de lata) e até uma aparição rápida de um leão.

Apostando em um elenco bem-humorado - os sorrisos falsos de Franco são impagáveis -, fora os protagonistas, o destaque fica para Zach Braff, que faz o ajudante de Oz, Frank, mas também dubla o macaco voador Finley, um daqueles side-kicks engraçados.


Apesar de ser uma história que já sabemos o final, Oz - Mágico e Poderoso encanta e diverte, além de fazer o belo paralelo entre a vida na terra original e na Terra de Oz, onde os problemas do mágico por vezes podem ser mais fáceis de resolver (o uso de cola, por exemplo) e, por outras vezes, requer magia de verdade - mesmo que pareça tão simples como acreditar em si mesmo.

0 comentários:

Postar um comentário