25 de dez de 2012

Das Prateleiras: A Felicidade Não Se Compra

Posted by Aline Guevara On 12:50 0 comentários

Hoje é Natal!

E para comemorar o feriado mais bonito e cheio de luzes do ano, o Das Prateleiras relembra o clássico dos clássicos desse período natalino: A Felicidade Não Se Compra (It’s a Wonderful Life, 1947) do diretor Frank Capra.



Nada deu certo na vida de George Bailey (James Stewart). Tudo o que ele planejou para a sua vida deixou de lado para ajudar as outras pessoas a sua volta. Ele sempre colocou a família e os amigos à frente dos seus sonhos, deixando-os para serem realizados no futuro. E esse futuro nunca chegava.

Em plena noite de Natal, George se vê em uma situação desesperadora, resultado das maquinações do mesquinho e cruel Henry Potter (Lionel Barrymore), o homem mais rico da cidade, e toma uma atitude igualmente desesperada: incapaz de comemorar o Natal e guardando segredo sobre a sua situação, ele decide se matar atirando-se de uma ponte.

Mas o amor que George despertou nas outras pessoas é tão grande que o que não faltam são orações por ele e um anjo (caído na Terra), ouvindo as preces, interfere. Em parte pela boa ação, em parte para recuperar as suas asas, o anjo decide mostrar a George como seria a vida das pessoas da cidade caso ele não existisse.

O filme nos induz a pensar que a vida de George sempre foi infeliz por ter desistido dos seus sonhos, mas ao longo da projeção percebemos que não é bem assim. Dinheiro, viagens, o trabalho dos sonhos são sim importantes, mas não são a única forma de ser feliz.

A Felicidade Não Se Compra celebra tudo o que o feriado natalino representa e que muitos esquecem em favor de compra de presentes e preparação de ceia: o amor em todas as suas formas e suas consequências. A importância da família, dos amigos e em fazer o bem aos outros. O filme mostra o quanto pequenas boas ações podem mudar drasticamente o destino das pessoas. E, a maior lição que poderíamos aprender (ou reaprender): que a vida é maravilhosa, só basta enxergar isso.

0 comentários:

Postar um comentário