15 de nov de 2012

Era uma vez: As Brumas de Avalon - Vol. 1 & 2

Posted by Bueno Neto On 11:56 0 comentários


A Senhora da Magia é o primeiro livro de As Brumas de Avalon escrito por Marion Zimmer Bradlay em sua série que reconta a história do rei Artur e seus esforços para unificar a Bretanha. Pelas palavras da autora quem nos guia pela história são as personagens femininas, tais como Gwenhwyfar (Guinevere), Morgana e Morgause, o que acabou resultando na reelaboração de toda mitologia em volta da lenda Arturiana. 

A Senhora da Magia se pauta na sabedoria da Deusa e do conhecimento dos Druidas, que afirma que é aquilo em que a humanidade acredita que modela o mundo e toda realidade. Os seguidores de Cristo e sua crença em um único Deus estão mudando este mundo, não só o espiritual, mas também o material. Como negam o mundo do espírito e o reino de Avalon, esses reinos deixam de existir para eles. 

Teliesin, o Merlin da Bretanha, druida e mago, instrui Igraine e a ela dá um fardo talvez grande demais para jovem esposa do Duque de Gorlois e mãe da ainda pequena Morgana: perder o marido para se casar com Pendragon e dar a Bretanha o Rei que tanto precisava para desafiar os invasores, unir seus reinos e manter um lugar digno para Avalon antes que este se perdesse totalmente nas Brumas. 

E com essa trama temos o enfoque de toda a primeira parte do livro focando em Igraine e sua doce e trágica historia, seus triunfos e tragédias que ligam a vontade de Merlin e da Sacerdotisa Viviane a seus filhos Artur e Morgana, que precisam seguir destinos muito diferentes.  

Na segunda parte do livo descobrimos o que o destino guardou para Morgana, sua vida em Avalon, seu treinamento para sacerdotisa, amores que conhece e sua dedicação à Deusa que culmina no reencontro com seu irmão Artur, então segue paralelo rumo a ele se tornar rei.

Em A Grande Rainha continuamos seguindo os passos de Artur logo após sua coroação de grande rei da Bretanha. É como se realmente o seguíssemos, pois a narrativa se concentra em grande parte em sua rainha Gwenhwyfar. Cristã fervorosa e sentindo-se inferior por ser mulher, pecadora por seus desejos e por seu amor por Lancelot, ela tenta redimir seus pecados levando Artur cada vez mais ao cristianismo ao mesmo tempo em que desenvolve um ódio crescente contra Morgana. Em parte este ódio se desenvolve por esta não aceitar se tornar cristã e viver com a liberdade de uma mulher pagã, em parte pelo ciúme que sente de Morgana com Lancelot. A grande rainha torna-se a força por trás das mudanças em Artur e as consequências para Avalon.

Brumas de Avalon é uma saga que nos traz muitos pontos de vista e sua autora Marion Zimmer soube trabalhar seus protagonistas juntamente com o cenário para nos dar na proporção certa todas as emoções que evoca em cada um desses pontos. Muitas são vezes emoções conflitantes como as protagonistas, tão diferentes como Morgana e Gwenhwyfar: a primeira quase que um ideal feminista em uma época que não tolerava liberdade e as mulheres estavam em segundo escalão; a outra, apesar de resignada e submissa aos homens, os manipula com beleza e fragilidade. Assim segue os livros, pouco descritivos no cenário, mas muito eloquentes nos sentimentos.

A grande ressalva é que a autora em muitos momentos busca em sua parte mais romântica o ideal platônico do amor, inacessível, inabalável e dramático. É até bonito em algumas partes e dá coerência à história e às decisões que vem de tal sentimento, mas são muitos os personagens com este amor imensurável, e as citações sobre ele são repetidas diversas vezes. Por mais que o livro se baseie em sentimentos, declamá-los tantas vezes é cansativo e faz a história perder o ritmo. O texto ainda é belo e forte, só precisa de um pouco de paciência para ler tantas vezes declamações de amores impossíveis.

0 comentários:

Postar um comentário