15 de abr de 2013

Perdidos no Espaço da TV: In the Flesh - Primeiras Impressões

Posted by Aline Guevara On 22:49 0 comentários


O recorde de audiência da terceira temporada de The Walking Dead e a produção de uma série de televisão baseada no filme Zumbilândia, além do livro e filme de Meu Namorado é um Zumbi, estão aí para provar que os zumbis continuam na moda. Aproveitando a onda dos mortos-vivos, o canal britânico BBC resolveu produzir In the Flesh, mas, diferente dos anteriores (afinal, tudo o que é britânico é diferente), o seriado aborda uma nova faceta do mundo pós-zumbi. 

O centro de recuperação para os portadores
da Síndrome de Falecimento Parcial
A história se passa após um "apocalipse zumbi". O piloto de In the Flesh não indica muito bem a dimensão da infecção ou o porquê ela ocorreu, mas vemos que o governo inglês conseguiu criar uma cura para o que eles chamam de Síndrome de Falecimento Parcial (SFP). A partir de uma vacina, que precisa ser tomada diariamente, os infectados recuperam as faculdades mentais e memórias, aparentemente tendo uma recuperação quase total, fora algumas sequelas físicas como a pele pálida e os olhos brancos.

Acompanhamos então Kieren, um portador de SFP que irá passar por uma reintegração social voltando para a casa dos pais na cidade onde morava. Ocorre que se o mundo não está  muito bem preparado para receber para receber novamente essas pessoas em sociedade (nem mesmo o governo parece saber lidar muito bem com eles no centro de reabilitação), o pequeno município de Roartan definitivamente oferece perigo à elas. Ela é influenciada fortemente por um grupo de fanáticos religiosos que pregam que os portadores de SFP são monstros assassinos e, agora, drogados, e não vai aceitar facilmente essa reintegração.

Jem com o emblema da Força Voluntária de Humanos
Jem, a irmã de Kieren, faz parte da Força Voluntária de Humanos (FVH), que, durante o começo dos ataques de zumbis, pegou em armas para defender Roartan. O grupo é apoiado pela mesma igreja local que prega o ódio contra os portadores de SFP e é interessante ver a garota confusa entre os valores dessa sociedade provinciana e os sentimentos pelo irmão, principalmente depois que ela percebe que ele não é um "monstro saído do inferno".

Repleta de metáforas, In the Flesh inicia seu episódio com um discurso religioso que já demonstra o pensamento vigente na mente da maioria dos sobreviventes dos ataques de zumbis: o justo e correto perece, para não ser tomado pelo mal. Imagine então aquele que não só não morre, como volta para a sua vida, para sua família! O preconceito contra o "diferente", a intolerância, a paranoia, perseguição e fanatismo religioso são algumas das bases da série.


A escolha da trilha sonora para o episódio piloto foi cuidadosa e interessante; as ótimas The Devil de Charlotte Eve e Charon de Keaton Henson refletiram muito bem o momento escolhido, assim como a música clássica que alertava os portadores da SFP do horário de tomar a vacina.

In the Flesh tem apenas 3 episódios (ingleses!), então para quem está afim de ver algo diferente do que vemos na televisão por aí, recomendo a série. Fiquei ansiosa pelos próximos episódios.

(Spoiler do final do primeiro episódio)

Impressionante a cena em que Bill, líder da FVH, pede à Maggie que tire as suas lentes de contato para que ela "não fique tão parecida com ele". Para que dessa forma pudesse matá-la. Ou seja, não conseguiria machucá-la por vê-la como uma igual, mas assim que ela mostra o seu lado "diferente", ele não pensa duas vezes antes de executá-la. Estou muito curiosa para ver como vai ser a atitude do personagem em relação ao filho, recém descoberto como um portador da tal síndrome-zumbi.

0 comentários:

Postar um comentário